OS-PARÇAS-2
in ,

OS PARÇAS 2, VALE A PENA? CRÍTICA

“UHUUUUU, AHHHH, EITA! DOIDO, DOIDO, DOIDO”

Sim meus jovens, é isso que ouvimos e vemos durante boa parte do filme, um compilado de gritos e pessoas falando coisas aleatórias. Os Parças 2, sequência da comédia estrelada por Ray Van (Whindersson Nunes), Toin (Tom Cavalcante), Pilôra (Tirullipa) e Romeu (Bruno De Luca), que em conjunto fazem o trio principal de Os 3 Infernais.

 

O filme começa com os 3 amigos em um hotel de luxo aproveitando e curtindo tudo de bom. E confesso que nos primeiros 15 minutos provavelmente sejam os momentos que temos como apresentação de um enredo ou história. Isto porque no decorrer do filme, não encontramos nada que sustente a história.

Os 3 parças descobrem que não contam com o dinheiro para sustentar os gastos que fizeram e realizar seus sonhos. Além disso, descobrem que um tal de “CHINA” está em busca das pessoas que traíram ele e roubaram seu dinheiro. Ou seja, agora os parças estão completamente enrascados.

Vendo essa situação, os amigos resolvem fugir para uma colônia de férias bem afastada. Nisso podemos ver mais gritarias, bagunças, falta de sintonia e muito improviso na história por parte de Tom Cavalcante, acredito que ele seja o que teve mais momentos interessantes vendo todo o enredo, até pela experiência do ator. Após esses momentos de gritarias, somos interrompidos por De Luca, ótimo momento para interromper os amigos que ficam gritando desesperadamente sem sentido.

Após essas situações, a história continua na colônia de férias, onde os amigos precisam trabalhar muito para juntar o dinheiro e assim conseguir pagar os danos no hotel.

OS PARÇAS 2 pode ser considerado um filme bom?

Para as pessoas que gostam dos atores e famosos que estão presentes no filme, pode ser uma ótima escolha para assistir e se divertir. No entanto, você deve ir sabendo que não vai ter muita piada e momentos de muita gargalhada. Tudo parece que foi feito no improviso, e isso não é ruim, porém não existiu nenhuma sintonia ou algo que fizesse sentido para um filme, talvez uma peça de teatro esse seria o enredo ideal.

Deixe uma resposta