in ,

Crítica A Babá: Rainha da Morte Netflix- Tão Insano quanto o Primeiro

Sequencia de A Babá de 2017 segue mesma fórmula do primeiro filme, com muito mais sangue e loucuras

A Babá, produção da Netflix, foi lançado em 2017, foi um dos primeiros títulos originais do streaming que fez grande sucesso, ganhando assim uma continuação 3 anos depois.

A trama do primeiro filme mostrava o jovem Cole ( Judah Lewis) de 12 anos que é o típico jovem americano zoado a todo momento na escola. Um desses motivos é que seus pais ainda deixam ele com uma babá quando viajam. Mas, quando os bullyings realmente vem quem é a babá que cuida dele, as zoações acabam. Bee ( Samara Weaving) guarda um segredo que Cole descobre naquela noite em que decide ficar acordado.

Na verdade, Bee faz parte de um culto satânico que busca sacrificar pessoas em troca de desejos para ela e um grupo de amigos. Logicamente, Cole descobre e se torna parte de tudo isso, sendo caçado. Dois anos após os eventos daquele filme, ninguém acredita no que aconteceu e em suas histórias.

Qual a trama de A Babá: Rainha da Morte da Netflix?

A Babá: Rainha da Morte | Cenas de Cinema | Crítica | Streaming

A sequencia de A babá mostra como Cole sofreu nesses 2 anos, agora aluno do ensino médio, sofrendo constantemente não apenas por seus colegas de escola, mas também pelos seus pais que não acreditaram em nenhum palavra do acontecimento daquela noite. A única que está sempre com ele, é sua vizinha Melaine (Emily Alyn Lind) que estava com ele,mas que coincidentemente, também não viu nada com clareza.

Em um passeio com sua amiga, Cole é confrontado novamente pelos fantasmas de seu passado ao descobrir que o grupo que supostamente estava morto, está de volta á vida e continuam atrás de Cole e de seu sacrifício.

A Babá: Rainha da Morte da Netflix Vale a Pena?

Leia a crítica de A Babá: Rainha da Morte

A sequencia segue exatamente o mesmo ritmo e clima do primeiro filme, portanto se não curtiu tanto as loucuras e do estilo, provavelmente não irá curtir essa segunda parte, que segue a mesma fórmula sem se arriscar muito.

Alguns momentos do longa repetem piadas que deram certo no original, como o lance de chute no saco, porque um deles vive andando sem camisa ou o tiro nos peitos, mas que ficam com cara de piadas recicladas, prestando apenas homenagem ao anterior.

O tom exagerado na edição juntamente com o excesso de sangue são as grandes qualidades dos dois filmes. Mostrando exatamente ao espectador que em nenhum momento ele está se levando a sério, é um filme para se divertir com uma boa comédia de terror.

Uma ausência do filme é a dita protagonista, que sem dúvidas era o grande destaque do longa anterior e que nesse é apenas uma mera coadjuvante, servindo apenas como gancho para o andamento da trama até o seu desfecho.

Os  personagens secundários do primeiro filme tem um papel bem maior, como os pais de Cole e Melaine, e a própria amiga dele.

A Babá: Rainha da morte só vai agradar quem realmente curte esse tipo de filme, completamente surtado, insano e sangrento. Não é para levar a sério, sentar, pegar sua pipoca e rir com as loucuras que vão acontecendo em tela. Se conseguir absorver essa vibe, certamente achará um dos melhores entretenimentos da Netflix.

Nota: 7,0 de 10,0

Ficha Técnica: A Babá: Rainha da Morte (Original Netflix)

  • Título Original: The Babysitter: Killer Queen
  • Duração: 101 minutos
  • Ano produção: 2020
  • Estreia: 10 de setembro de 2020
  • Distribuidora: Netflix
  • Dirigido por: McG
  • Classificação: 16 anos
  • Gênero: Comédia / Terror
  • Países de Origem: Estados Unidos

Sinopse:

A Babá – A Rainha da Morte acompanha Cole dois anos após derrotar o culto satânico liderado por sua babá Bee. Tentando superar o passado e sobreviver no colégio, tudo parece estar bem. Porém, quando velhos inimigos retornam inesperadamente, ele terá que lutar novamente.

Elenco:

Bella Thorne, Leslie Bibb, Ken Marino, Emily Alyn Lind, Robbie Amell, Judah Lewis, Jenna Ortega, Hana Mae Lee, Amanda Cerny, Andrew Bachelor, Maximilian Acevedo, Amber Pauline Magdesyan, Chris Wylde, Juliocesar Chavez, Carl McDowell

 

Deixe uma resposta